quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Meu ranzinza favorito!


Convivi pouco tempo com o Seu Irineu.
Um senhorzinho bemmmm ranzinza. 
Tem 85 anos, é um crítico ferrenho de tudo e todos, mas tem ótimas histórias para contar.
Seu Irineu é bem magrinho, adora assistir programas policiais, daqueles bem sensacionalistas, e conta que morreu e foi ressuscitado por uma das filhas dele.
É uma figura! Não gosta, de jeito nenhum, que as pessoas cheguem para comer na casa dele.
Não gosta de visitas e não gosta nada que as filhas saiam de casa.
Está sempre prevendo alguma tragédia caso elas teimem e saiam.
Segundo ele, elas podem ser sequestradas, roubadas, violentadas e até assassinadas. 
Tudo culpa do Datena!
O Seu Irineu já é aposentado há alguns anos e desde então passa os dias todos em casa vendo tragédias na TV. Desconfiadíssimo, não confia em quase ninguém... Mas, ele gostou de mim desde a primeira vez que nos vimos... e eu também gostei dele.
Ele sempre me contava da juventude dele, que gostava de ir a bailes no clube Espéria ou Paineiras - os mesmos que o meu avô frequentava. Eu ficava imaginando se alguma vez eles se cruzaram por lá.
O Seu Irineu também pulava do bonde andando para não pagar a passagem - o dinheiro que ele tinha era da entrada e do refrigerante ou um sorvete para alguma senhorita bonita.
Ele adorava me contar essas histórias e eu gostava mesmo de ouvi-las.
Infelizmente não nos encontramos mais. Faz tempo que não o vejo. 
Uma pena, pois ele parecia sempre rejuvenescido quando conversávamos.
Ele andava bem doentinho, reclamando...
Preciso dar um jeito de  encontrá-lo qualquer dia desses.
E Seu Irineu também cuidava de mim. Não me deixava sair na chuva. Morria de medo de eu ficar presa em alguma enchente. Uma vez me fez ficar até as 22:00 na casa dele, dai não queria me deixar ir embora porque era perigoso dirigir sozinha a noite!
E também fazia uma marcação cerrada no meu carro:
 - Seu pneu tá careca, precisa trocar!
 - Tá bem sujo, heim? Tem que lavar!
 - A lanterna traseira não tá acendendo....
Ele implicava com todo mundo... menos comigo!
Isso causou um certo ciúme nas filhas, mas eu nem ligava... gostava mesmo era de prosear com o Seu Irineu. Ele me lembrava demais de alguns dos meus velhinhos favoritos. Era meio que uma mistura de alguns deles. Fazia aquelas piadinhas bobas que eu tanto gosto... gostava de fazer joguinhos e trocadilhos... eu caia na risada e ele ria gostoso comigo.
Ele quase não enxerga direito, mesmo assim, fazia toda questão de tirar o carro da garagem para eu colocar o meu quando ia lá... Demorava um tempão, mas fazia questão de arrumar um lugarzinho para o meu carro ficar em segurança.
E eu ficava com muita pena da solidão dele. Era algo que me incomodava bastante. Apesar de não morar sozinho, ele ficava muito só. As filhas brigavam muito com ele e quase sempre estavam cada um no seu canto, sem muito convívio, e eu percebia que ele gostava muito de contar as histórias dele e na maioria das vezes era muito podado. A filha mais velha também o criticava bastante, eles viviam às turras um com o outro... isso me deixava bem chateada, mas nunca me envolvi nas brigas deles.
Eu gostava de como ele cuidava de mim, de como sempre me desejava: "Vá com Deus!", "Toma cuidado!", "Não anda com o vidro aberto!", "Liga quando chegar em casa!"...
É tão bom ter quem se preocupa com a gente! E eu aqui vivendo tão longe da minha família amada, sou meio carente dessas coisas.
Por causa de uma desavença com uma das filhas dele, nunca mais fui na casa dele.
Preciso ligar, preciso lhe dizer que sinto sua falta e gosto demais do meu velhinho mais ranzinza e pão duro favorito!


2 comentários:

  1. Dri, que post fofo esse, menina!!!

    Ah, seu Irineu é uma figura... gostei de 'conhecê-lo' através de você... com seus escritos conseguir imaginar como é seu Irineu...

    Beijos, querida!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ele é uma figura Rô, impossível não rir perto dele.
      Mesmo ranzinza, mesmo paranóiquinho e pão duro... ele tem um coração enormeeeeee, se preocupa de verdade com quem ele gosta.

      Excluir